França / Alpes e Reno

Rhône-Alpes
A região de Rhône-Alpes tem uma superfície de 43.698 km2 e uma população de 5,6 milhões de habitantes. Abrange toda a região dos Alpes franceses, incluindo o maciço do Monte Branco, fazendo fronteira com a Suiça e a Itália. Os montes do Maciço Central ficam no oeste da região e a cadeia do Jura Sul a norte. Destacam-se também os vales dos rios Saône e Rhône (Ródano) que se encontram na cidade de Lyon, a maior da região e uma das maiores de França. O Rio Ródano desce o território paralelamente aos Alpes até desaguar no Mediterrâneo perto de Marselha.
Uma parte desta região, antigamente denominada a província de Bresse, foi integrada na coroa francesa em 1477, juntamente com o resto da Borgonha.

Lyon tem uma área metropolitana com 1.350.000 habitantes sendo a segunda maior cidade francesa. Fica situada nas planícies formadas pelo vale do Ródano, o rio que atravessa a cidade. A confluência do Rio Saône com o Ródano é feita no coração da cidade, formando uma península urbana designada Presqu’île. As origens da fundação galo-romana da cidade destacam-se no bairro de Fourvière, com um complexo importante de ruínas romanas que incluem o Teatro Romano, o Templo de Cybele e Odeum. A Basílica de Fourvière do século XIX é a igreja mais emblemática de Lyon, com uma silhueta imponente de 4 torres octogonais, uma fachada neo-gótica e tecto neoclássico. No século XIX a cidade expandiu-se para a outra margem do Ródano com sumptuosos edifícios ao estilo de Haussman, o famoso barão que moldou o urbanismo de Paris. Atravessando o outro rio, o Saône, pode-se vislumbrar o património renascentista de Lyon cuja inspiração florentina domina a Velha Lyon (Vieux-Lyon) que foi classificada como Património Mundial após grandes restauros nos anos 1960. Actualmente este bairro histórico oferece grande animação de dia e de noite. Entre os dois rios, a penínsulaPresqu’île é uma concentração de todos os períodos de arquitectura, desde igrejas medievais a grandes avenidas do século XIX e monumentos clássicos (Câmara Municipal, Hôtel-Dieu) e modernos. A agitação cosmopolita também é acentuada nesta área com ruas pedestres, sendo a Rue de la République a maior, e comércio variado. Foi também lançado um grande projecto de renovação urbana no extremo sul da península.

Annecy é uma cidade média com 50.000 habitantes na região de Rhône-Alpes. Tem uma industria relevante nos seus arredores, mas o maior destaque é o Lago de Annecy que proporciona a prática de desportos aquáticos numa paisagem de grande beleza dominada pelos Alpes.

Chamonix é uma pequena cidade de 10.000 habitantes, famosa por estar na base do Monte Branco, o pico mais elevado da Europa Ocidental (4807 m). É por isso uma cidade com muita animação e com muita gente que ali chega para praticar desportos de neve no Inverno ou montanhismo no Verão. A subida ao Monte Branco é tentada por muitas pessoas vindas de muitos lugares. O Vale de Chamonix estende-se por uns 20 km dominados pelo Maciço do Monte Branco a sul e por Aiguilles Rouges a norte. Fica a 15 km da Suiça pelo Col des Montets e a 15 km da Itália pelo Túnel do Monte Branco. Chamonix fica a 1035 m de altitude e a envolvência da alta montanha em seu redor é impressionante.

Monte Branco (Maciço) é o pico mais alto da Europa Ocidental com 4807 m. No Verão, a sua escalada é almejada por muitos alpinistas. Os turistas que não vão esquiar no Inverno ou que não subir o Monte Branco têm outras actividades que permitem desfrutar do cenário. Desde o centro da cidade de Chamonix, o teleférico Aiguille du Midi transporta os visitantes a 3842 m para um panorama deslumbrante sobre os cumes do Monte Branco. Por outro lado, o comboio de cremalheira permite o transporte até Montenvers a 1913 m, onde o panorama sobre o Glaciar Mer de Glace é grandioso. Chegando à estação terminal de Montenvers, pode apanhar-se um teleférico ou descer a pé até ao Glaciar onde se podem visitar as Grutas de Gelo, no interior do Glaciar. Esta visita é única e permite apreciar as paredes azuis de gelo cuja cor é originada pelos raios de sol que penetram no glaciar. As formas que se assemelham ao interior de uma casa são esculpidas no gelo anualmente e tentam descrever a vida dos montanhistas do início do século XIX.

 

Alsace
A região da Alsácia tem uma superfície de 8.280 km2 e uma população de 1,7 milhões de habitantes. Abrange todo o percurso francês do Vale do Rio Reno, desde a fronteira suiça em Basileia até à fronteira com a Alemanha. A principal cidade da região é Estrasburgo, actualmente famosa por albergar o Parlamento Europeu. Outras cidade importante da Alsácia são Mulhouse e Colmar.
A Alsácia foi uma república autónoma inserida no Sacro Império Romano Alemão até 1681 quando foi anexada por Louis XIV à França. Em 1871 foi novamente anexada pelo Império Alemão tendo sido devolvida, juntamente com a Lorena, à França em 1918 após a 1ª guerra mundial. Devido a esta história, a Alsácia sofreu grande influência da cultura e costumes alemães.

Estrasburgo é a maior cidade e capital da Alsácia e tem uma população de 427.000 habitantes e fica localizada junto à fronteira com a Alemanha, perto da margem do Rio Reno que faz a fronteira com a Alemanha. Com a sua localização estratégica central na Europa, foi a cidade escolhida para acolher o Parlamento Europeu. Todo o seu centro histórico foi classificado como Património Mundial. A Catedral de Estrasburgo é enorme e visível de muito longe. O centro da cidade organiza-se em redor dela. É uma igreja gótica construída ente 1176 e 1439 que atinge a altura de 142 m e apresenta uma fachada lindíssima e notáveis vitrais. No topo, a vista é fabulosa sobre a cidade, as montanhas de Vosges e a Floresta Negra. À volta da Catedral convergem ruas estreitas com numerosas casas decoradas a madeira, típicas da Alsácia. O comércio e a agitação preenchem as ruas do centro. Petite France é como se chama o bairro mais pitoresco da velha Estrasburgo. Aqui predominam as casas de madeira dos séculos XVI e XVII com amplos pátios, grandes telhados encurvados e grandes águas furtadas abertas. As Pontes Cobertas são dominadas por quatro torres do século XIV e vestígios das fortificações que mantinham a independência da República de Estrasburgo. Para desfrutar devidamente de Estrasburgo é imperdível passear pelas margens do Rio Ill no coração da cidade, um afluente do Rio Reno (passando este pela periferia da cidade). A pé ou de barco (partindo em frente ao Palácio Rohan), aprecie as margens arranjadas e o charme de Petite France. Outro programa original é alugar um “pénichette” (barco-casa) e passar uns dias no Canal Marne-Reno. Um dos maiores destaques de Estrasburgo, que torna a cidade famosa mundialmente, é o Parlamento Europeu, um edifício moderno terminado em 1999 em forma de asa, de onde emerge a cúpula do hemiciclo.

A região dos Alpes franceses que engloba Lyon, a segunda maior cidade de França, e o Vale do Reno ficam no leste do país e têm excelentes acessos tanto rodoviários, pela excelente rede de auto-estradas, como ferroviários. A região serve também de passagem do sul de França para a Alemanha a norte e também de França e dos países mais ocidentais para a Suiça, Itália e o leste da Europa. Existem auto-estradas que ligam Lyon a Paris e a Marselha (também o famoso comboio TGV), bem como a Genebra na Suiça e a Turim na Itália pelo Túnel do Monte Branco. Estrasburgo está ligada ao sul de França e à Suiça, ao norte à Alemanha e a oeste a Paris. Lyon fica a 467 kms de Paris, 316 kms de Marselha, 154 kms de Genebra, 304 kms de Turim e 638 kms de Barcelona. Estrasburgo fica a 487 kms de Lyon, 489 kms de Paris, 220 kms de Frankfurt, 361 kms de Munique e 138 kms de Basileia.

Comentários

O seu endereço de email não será publicado.