Andorra

O Principado de Andorra é um pequeno país no coração dos Pirinéus e essa localização nas montanhas proporciona-lhe muitas vantagens no turismo. De facto possui diversas infra-estruturas de turismo de Inverno, nomeadamente hotéis, pistas de ski e outras. Andorra é também conhecida pela ausência de impostos e como tal é grande a afluência de turistas em busca de compras mais baratas.

Andorra la Vella é a capital do Principado e tem 21.000 habitantes e também o principal centro de comércio, serviços e cultura.

Sant Julià de Loria é a primeira vila que se encontra no Principado quando se vem de Espanha. Aqui o comércio também é forte e é o centro da indústria do tabaco, um importante sector económico no país.

Escaldes é adjacente à capital e possui a Caldea, um spa termal de renome.

Vallnord é uma estância de ski que cobre os domínios esquiáveis de Pal e Arinsal que estão interligados e Ordino-Arcalis, perfazendo um total de 93 km de pistas.

Grandvalira é uma estância de ski que cobre os domínios esquiáveis de Encamp, Canillo, El Tarter, Soldeu, Grau Roig e Pas de la Casa, perfazendo um total de 210 km de pistas.


Geografia

Andorra fica no coração dos Pirinéus fazendo fronteira com a Espanha e França. Pela sua localização não existe aeroporto nem ferrovias, portanto o acesso por estrada a cidades nos dois países vizinhos é a única opção. Andorra fica 155 kms de Lérida, 200 kms de Barcelona, 155 kms de Perpignan e 190 kms de Toulousse.

O principado de Andorra está situado no interior dos Pirinéus Orientais; é limitado a norte, pela França e a sul, pela Espanha. O seu relevo é constituído por desfiladeiros e vales estreitos, rodeados de montanhas. O principado tem cerca de 70 mil habitantes, de origem andorrana, espanhola, portuguesa, francesa e de outras nacionalidades. A capital é Andorra-a-Velha e o idioma oficial do país é o catalão, sendo o francês e o espanhol outras línguas faladas. A superfície do país é de 468 km2.

De acordo com a Constituição de 1993, Andorra é um co-principado independente, democrático, parlamentar, com a soberania total nas mãos do povo. A Espanha e a França mantêm-se os seus co-príncipes (o bispo de Urgel, em Espanha e o Presidente da França, respectivamente) como chefes de estado, com poderes reduzidos e constitucionalmente definidos. Existe uma Assembleia de uma só câmara composta por 28 membros, o Conselho Geral dos Vales, para o qual são eleitos 14 membros, com base numa lista nacional, e outros 14 com base em sete círculos binominais (paróquias). Existe também um Conselho Executivo chefiado por um presidente, que exerce o cargo de primeiro-ministro com base no apoio da Assembleia.

História

Andorra foi durante alguns séculos um território agrícola e artesanal, onde era frequente a prática da caça. Em 1278, o bispo de Urgel tornou-se co-suserano do conde de Urgel, que
manteve a posse do principado até ao século XVI. Andorra permaneceu condomínio do bispo de Urgel, excepto no período da Revolução Francesa, altura em que os revolucionários declararam a independência do principado. Em 1806, os habitantes locais pediram a Napoleão que devolvesse ao território o estatuto de principado. Durante 700 anos, o principado prestava vassalagem aos dois lados: bispo de Urgel e ao Presidente francês. Até 1970, o direito de voto era exclusivo dos homens de Andorra, a partir da terceira geração. Actualmente, o voto é extensivo a todos os andorranos de primeira geração, com idade igual ou superior
a 28 anos, cujos pais sejam estrangeiros. O número de eleitores é diminuto, em relação ao total da população, cerca de 70% da qual é composta por residentes estrangeiros que
têm vindo a reivindicar os seus direitos políticos e de cidadania. A imigração, controlada através de um sistema de quotas, restringe-se aos nacionais de França e de Espanha
que pretendam trabalhar em Andorra. Antes de 1993, o país não possuía qualquer constituição formal, tendo todas as moções e propostas que ser submetidas aos delegados permanentes (representantes dos dois chefes de estado) para aprovação.

Em 1976 foi criada uma organização política, tecnicamente ilegal, o Partido Democrático de Andorra, que forneceu as bases de um futuro sistema democrático. Oscar Riba Reig tornou-se no primeiro primeiro-ministro do país em 1981, e em 1982 foi nomeado um Conselho Executivo chefiado pelo Primeiro-Ministro. Tal provocou a separação entre os poderes legislativo e executivo. Em Julho de 1991 foram estabelecidos laços formais com a Comunidade Europeia.
Em Maio de 1993 foi adoptada uma nova Constituição, concedendo a independência ao país em todos os aspectos menos o da segurança externa, que continuou sob a responsabilidade da França e da Espanha. As primeiras eleições directas tiveram lugar em Dezembro de 1993, tendo sido formado um Governo de coligação liderado pelo Primeiro-Ministro, Oscar Riba Reig. Em 1994, Andorra tornou-se um membro de pleno direito das Nações Unidas e do Conselho da Europa. A coligação de Reig, o Grupo Nacional Democrático, perdeu o apoio dos independentes em Dezembro de 1994 e Marc Forne, da União Liberal, substituiu-o no cargo. Desde a década de 50, Andorra tornou-se economicamente uma nação próspera, tendo chegado a ser declarada como o país com o maior crescimento económico do mundo, com um rendimento per
capita superior ao japonês. No principado existem mais de 5 mil lojas e 500 hotéis, a actividade turística é intensa e a banca vive uma situação estável e próspera. Em grande parte, este panorama deve-se à isenção de impostos de que usufruem muitos produtos e actividades no principado.

Comentários

O seu endereço de email não será publicado.